Cover Repórter: A incrével hestuéria de Ruán Sebastián

29 jul

Há cerca de 25 anos atrás, o empresário Ruán Sebástian de Rresús Lopes, 58, não conseguia dormir. “Ouvia muitos ruídos, picaretas, furadeiras, que só poderiam vir debaixo de mim. É como se estivessem escavando algo. Mas o quê? O que poderia ser esse algo? Talvez um templo desconhecido de uma sociedade secreta formada por anônimos invisíveis?… Não, senão não fazia aquela barulheira do caramba. Era algo mais… Concreto!!”
O que a suposta sociedade não poderia imaginar era que Ruán Sebastián era dono de uma empresa de perfuração de poços artesianos.
“Eu tinha certeza que o lençol freático estava abaixo de onde vinham os ruídos. Já tentei escavar um poço aqui em casa, mas, sacumé, casa de ferreiro, espeto de pau. A broca não chegou no lençol freático, e se eu quisesse conseguir, teria que tirar outra, mais longa. de uma obra que eu estava fazendo, então, deixei pra lá.
Então, certo dia eu peguei todos os meus equipamentos e coloquei dentro do meu quarto. Afinal, eu já não gostava mais daquele piso de madeira velha. E comecei a perfurar, embaixo de onde estava a minha cama.”
“Me recordava perfeitamente da argila que saía pela broca. Mas quando comecei a dar com uma camada de concreto, foi quase como se tivesse saído petróleo. Era a prova que ïo no stava pazzo, como gritava o meu vizinho… E de repente, POF!! Saiu um vento como se eu tivese tirado a rolha de um vinho… Quer dizer, vinho não tem aquele cheiro horrendo, mas enfim…”
“Parecia que havia um vazio de uns 10 metros de altura abaixo do solo. A essa altura do campeonato, toda a família estava nessa, e nem comemorou o penta do Brasil naquela época. Nós só queríamos saber o que era aquela coisa embaixo de nós…”
“Então o Juninho ‘Subnutrido’, meu sobrinho de 7 anos, resolveu entrar. Como o pai dele era alpinista, eles concordaram. Só me passou na hora um arrepio, como se pudesse acontecer alguma infecção por causa do ar parado, semelhante a ‘maldição das pirâmides’. Mas o ar estava circulando lá dentro. E eu disse: Juninho, liga o flash e manda ver!”
(continua…)

Anúncios

Uma resposta to “Cover Repórter: A incrével hestuéria de Ruán Sebastián”

  1. Fernando Noronha de Lara Mota setembro 22, 2008 às 7:52 pm #

    A “maldição das pirâmides” é a abertura do Banal de 1983, não é?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: